Dexter Latina

Dexter Latina

Inspecionar criadouros periodicamente é fundamental para afastar o mosquito

Publicado em 22 de novembro de 2016

Água parada é o cenário ideal para o desenvolvimento do Aedes aegypti, transmissor da dengue, zika e chikungunya. Como o ciclo de vida do mosquito, do ovo até a fase adulta, dura de 7 a 10 dias, verificar criadouros uma vez por semana é fundamental para interromper esse processo de desenvolvimento e evitar o nascimento de novos insetos.

Caixas d’água abertas ou mal vedadas, vasos de plantas, cacos de vidro em cima de muros, tampinhas de garrafas, latas, piscinas, ralos, calhas, entulhos em quintais, muitos são os locais e situações que podem acumular água e favorecer o aparecimento do mosquito. Se cada vizinho se ocupar durante cerca de 10 minutos por semana checando locais potencialmente acumuladores de água, toda a comunidade estará mais protegida do Aedes aegypti.

Matar os ovos do mosquito, porém, exige muito mais do que apenas secar os reservatórios de água. É preciso limpar o local, uma vez que o ovo pode sobreviver à “seca” durante mais de um ano, voltando à ativa quando submetido à umidade.

Uma alternativa para auxiliar na luta contra o Aedes é o larvicida doméstico da Dexter Latina, que também impede a continuidade do ciclo do mosquito. O diretor de pesquisa e desenvolvimento da empresa, Milton Braida, destaca como vantagens a versatilidade e a ação residual do produto, já que o desenvolvimento do mosquito é um processo dinâmico.

“Digamos que ontem você fez a limpeza e eliminação necessária e hoje cai uma chuva. Teremos novamente uma condição favorável ao desenvolvimento de novas larvas. O Straik Mata-larvas tem essa possibilidade de estar sempre à mão da população. É só aplicar o produto nos locais onde acumula essa água da chuva, para impedir que a larva vire mosquito. E o melhor: o produto tem efeito que perdura até dois meses após a aplicação”, detalha.